segunda-feira, 3 de novembro de 2008


A seleção natural dos Tubarões


A reprodução dos tubarões ocorre por fecundação interna, na qual o macho introduz o órgão reprodutor masculino no órgão copulador feminino da fêmea. As fêmeas atingem, em geral, a sua maturidade sexual com maior tamanho do que os machos e normalmente procriam em anos alternados. Nas espécies ovíparas, que correspondem a cerca de 20% do total, a fêmea realiza a postura dos ovos retangulares, protegidos por uma membrana filamentosa, de modo a fixá-los ao substrato marinho. Nas espécies ovovivíparas - cerca de 70% -, o desenvolvimento dos ovos ocorre no órgão copulador, da fêmea, sendo as crias expulsas já desenvolvidas. Nas espécies vivíparas - cerca de 10% -, o desenvolvimento do embrião realiza-se internamente, com ligações placentárias, sendo as crias também expulsas já desenvolvidas. A seleção natural dos tubarões inicia-se, nalgumas espécies ovovivíparas e vivíparas, no próprio meio intra-uterino, através da prática do canibalismo. As crias que se formam primeiro e providas de dentes afiados, ingerem, na sua vida uterina, os embriões em formação e, posteriormente, devoram-se umas às outros, sobrevivendo apenas as mais fortes e aptas. De 10 a 82 filhotes por gestação, que são miniaturas dos adultos, mas em geral esse número fica entre 30 e 50. Os filhotes ao nascer têm de 51 a 76 cm de comprimento. Não existe relação de placenta e embrião dentro do útero da genitora. O período de gestação é de 12 a 13 meses. Os filhotes, independentes desde o nascimento, procuram ficar mais perto da costa possível, evitando predadores enquanto ainda são pequenos.

Período de gestação: 12-13 meses.
Número de crias: 10-82.
Longevidade: 12-13 anos.

2 comentários:

Victor disse...

pense em um assunto que eu sempre gostei.....
muito bom!

Amanda disse...

Massa....Gosto tbm...